Redes sociais afetam o cérebro como a paixão

A gerente de Inteligência de Mercado do Ibope, Juliana Sawaia, afirmou nesta quinta-feira, no 4º Seminário de Mídia Online (MediaOn), que as redes sociais afetam o cérebro assim como a paixão. Segundo ela, as pessoas não são apegadas diretamente às plataformas, mas sim às pessoas que estão nelas.

“A mídia social não é tecnologia, mas sim relacionamento. E ele já foi incorporado à rotina da maioria das pessoas. Quem está dentro quer usar mais e quem ainda não entrou tem interesse em entrar”, disse.

Durante a palestra, quatro usuários de internet, entre 13 e 32 anos, navegaram em computadores e contaram as suas experiências de uso. Todos eles participam de pelo menos um site de relacionamento e utilizam ferramentas como o Messenger, Youtube, Facebook e Orkut.

Segundo Juliana, as empresas já perceberam a força das redes sociais, mas nem todas estão preparadas para enfrentar as adversidades. “Hoje, muita gente nem procura o Serviço de Atendimento ao Consumidor e reclama diretamente no Twitter quando tem uma dificuldade com alguma empresa. Os consumidores já sentiram que têm mais poder dessa forma”, afirmou.

Ela disse que durante o período eleitoral o Ibope fez algumas análises sobre o desempenho dos candidatos nas redes sociais. Segundo ela, nas próximas eleições presidenciais, em 2014, existe uma tendência de que elas tenham mais força do que agora. “Muita gente comparou a eleição aqui com o fenômeno do Obama, mas nos Estados Unidos já se usava as redes sociais há muito tempo. Aqui ainda estamos começando e na próxima eleição o peso será maior”, disse.

Fonte: Terra Notícias

Anúncios

, , , , ,

Deixe um comentário

10 razões para monitorar mídias sociais

O monitoramento das mídias sociais vem se mostrando um diferencial competitivo de grande valor, tanto que, segundo pesquisa realizada pela Instituto Brasileiro de Inteligência de Mercado (Ibramerc), 46% das empresas utilizam as mídias sociais para monitorar o mercado, 45% usam para observar o comportamento do consumidor e 39% utilizam para monitorar a concorrência.

Abaixo segue uma lista com 10 motivos para monitorar as mídias sociais.

  1. Críticas – Monitorar as conversas que tenham algum tipo de reclamação sobre os seus produtos ou serviços, empresa e funcionários. Quanto mais cedo identificar essas conversas, significa ter uma chance maior para mostrar como sua empresa é sensível. A reclamação é uma oportunidade para demonstrar as habilidades de resolução de problemas. Uma crítica postada em mídias sociais também pode desencadear observações de outras pessoas com a mesma preocupação, o que proporciona uma oportunidade de alcançá-los, e quem sabe, impressionar o consumidor com um grande serviço prestado ao cliente e gerar alguns posts positivos sobre como você resolveu tal situação.
  2. Elogios – Milhões de pessoas utilizam mídias sociais para falar sobre os produtos e serviços que elas amam. Esses elogios podem se manifestar de várias formas – como uma experiência que o cliente teve com seu produto ou serviço, por exemplo. Encontrar esses elogios é uma ótima oportunidade para posicionar-se e saber quem são os entusiastas de sua marca.
  3. Desejo – A melhor maneira de prestar atenção aos desejos dos clientes é procurar por palavras-chave utilizadas frequentemente para descrever essas necessidades. As recomendações são inerentes à mídia social, quando alguém está prestes a fazer uma compra quase sempre tenta obter informações online. Essas situações oferecem uma oportunidade para fazer uma oferta ou uma demonstração gratuita, por exemplo. Embora isso possa parecer intrusivo à primeira vista, muitas situações são propícias para essa abordagem. Um belo exemplo é o da Mentos, onde descobriram através do monitoramento que as mulheres grávidas mastigavam o chiclete para aliviar enjôos matinais. Agora a empresa está considerando ações de marketing para mulheres grávidas e blogs para as “mamães”.
  4. Monitorar a concorrência – Monitorar as conversas sobre a concorrência é vital para saber o que os clientes gostam – e o que eles não gostam neles. Essas conversas podem nortear estratégias em sua empresa, evitar problemas potenciais e antecipar os movimentos deles. Tudo, desde o desenvolvimento de produtos, atendimento ao cliente até vendas e marketing podem se beneficiar. Este tipo de inteligência pode destacar as oportunidades para chegar aos potenciais clientes que estão tentando sair de um concorrente ou insatisfeitos com um produto ou serviço.
  5. Antecipar tendências – O monitoramento da mídia social é uma ótima maneira de ganhar uma vantagem competitiva. Também é valioso para o planejamento de movimentos futuros, seja no marketing ou em processos internos. Descobrir tendências hoje pode fazer toda a diferença amanhã.
  6. Identificar influenciadores – A rede que se forma em torno de um influenciador ajuda a difundir uma opinião sobre uma marca mais rapidamente, e sua opinião potencialmente tem um maior peso. Muitas vezes, um post de um influenciador aparece com destaque nos resultados de pesquisa do Google, afetando assim os pontos de vista de um maior número de clientes em potencial. Saber quem são esses influenciadores e quais são as opiniões sobre sua marca ajudam a determinar que medidas devem ser tomadas.
  7. Gerenciar crises – Quando se sabe o que atingiu o ventilador, surge a oportunidade de reagir imediatamente. Por isso, o  monitoramento em tempo real das mídias sociais é tão importante. Muito antes de uma notícia chegar aos meios tradicionais, ela já está fazendo o seu caminho através da mídia social.
  8. ROI – Enquanto uma métrica universal ainda não tenha sido estabelecida, há ainda uma série de formas eficazes de medir o ROI e engajamento em geral. Veja as menções sobre sua marca, antes, durante e depois de uma campanha. Isole palavras positivas associadas com uma determinada marca e mensure o número de vezes que foram utilizadas durante um período de tempo. Alternativamente, você pode classificar todas as conversas como positivas, negativas ou neutras e adicionar tags a elas.
  9. Auditoria – A marca é o que dizem e não o que o marketing determina, e já há algum tempo não é completamente controlada pela corporação. Ao analisar a mídia social, uma empresa ou agência pode identificar o sentimento em relação a uma marca, determinar quais palavras são comumente associadas a ela, descobrir quais sites são defensores e quais elementos de mídias sociais contêm mais discussão. Ao isolar sites que estão a discutir sobre sua marca ou a marca de um concorrente, a auditoria pode ajudar a identificar oportunidades de colocação de anúncios para atingir um público mais valioso e mais engajado.
  10. O rastro – Com tantos sites de mídia social no mercado, as conversas muitas vezes se dispersam. Uma discussão pode começar dentro de um canal e pular rapidamente para outro tornando-se bastante difícil de rastrear. Ferramentas avançadas para o monitoramento de mídias sociais permitem colocar tudo um só lugar e facilitam a análise dessas conversas.

Fonte: Reuel Lopes

,

Deixe um comentário

Encontre seus clientes espalhados no Twitter

Existem diversas maneiras de fazer contato e relacionamento com os clientes nas mídias sociais.

Porém, uma tarefa às vezes difícil é achar o público certo, que se interessa e fala da mesma coisa que a sua empresa.

Para conseguir solucionar o problema, algumas ferramentas podem te ajudar bastante, como o Twitter Search, Twitter Grader e o Backtweets.

O Twitter Search é uma ferramenta de busca de conversas que tenham no conteúdo a frase que foi procurada, permitindo que o empresário se aproxime dos pensamentos e entenda as ambições do público. OBS: Ela só rastreia conversas do Twitter.

O Twitter Grader é uma opção vantajosa quando se trata de relevância na Web, pois rastreia os usuários de acordo com o número de followers, follows, tweets, conversas e retweets.

O Backtweets rastreia conversas com links encurtados.

É claro, e todo mundo já está cansado de ouvir, que a busca por clientes na Web passa muito mais pelas ferramentas de relacionamento do que por essas ferramentas técnicas,  mas conhecer o assunto e como o seu público fala sobre eles, faz com que você o conheça melhor e só aumente a satisfação do cliente.

Fonte: CoWorkers

, , , ,

Deixe um comentário

Lotus Connections 3.0: um facilitador para empresas

A IBM lançou o Lotus Connections 3.0, um software corporativo social que dá às empresas e organizações capacidades avançadas de análise para que os funcionários tenham rápido acesso a pessoas e informações, aprimorando a colaboração e tornando mais eficiente o trabalho.

A IBM diz que está respondendo a um aumento significativo na demanda do consumidor por recursos de rede social ao lançar novos serviços globais para ajudar empresas a compreender como a mídias social está sendo utilizada hoje e como ela pode se encaixar melhor em seu negócio.

O Lotus Connections 3.0 facilita a imersão das empresas na era da colaboração, ajudando os usuários a se conectar mais facilmente, criar comunidades globais, e encontrar informações e recursos. O Lotus Connections 3.0 inclui ferramentas de comunidades, fóruns, wikis, blogs, analytics e também são dadas recomendações de conteúdo com base nas ações de usuários.

Fonte: Escave as Mídias Sociais

, , , , , , ,

Deixe um comentário

Redes Sociais preferidas pelas empresas

O Instituto Brasileiro de Inteligência de Mercado (Ibramerc) realizou uma pesquisa sobre a presença e o uso das redes sociais com 251 empresas de médio e grande porte e constatou: 65% dessas empresas já utilizam as redes sociais como ferramentas de comunicação com clientes e prováveis clientes.

Mesmo com muitas empresas aderindo ao uso das redes sociais, elas são vistas como complementares, mas não fundamentais em sua comunicação. O principal motivo é o fato de que nem todos sabem utilizá-las da melhor maneira ou não entendem como isso pode agregar valor ao seu negócio, e seu uso ainda está em fase de testes.

A seguir, um infográfico mostrando como algumas empresas estão lidando com essa novidade.

Fonte: Web é o Canal

, , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Quem influencia seu público-alvo?

Você pode responder com rapidez e segurança quem é seu público-alvo?

E quem o influencia? Você sabe?

Formadores de opinião são aqueles que ajudam a formar a opinião e que fazem recomendações sobre produtos e idéias para o seu mercado. Eles são as pessoas que estão em posições de autoridade e/ou estima. Como resultado, essas pessoas são extremamente importantes para você e sua empresa.

Vale a pena gastar tempo e energia para descobrir onde seu influenciadores estão. Eles são os donos do poder em sua comunidade.

Construa um relacionamento com as pessoas que influenciam o seu público. Não vá muito rápido, leve o tempo que for necessário. Eles estão  acostumados a ter pessoas pedindo informações. É melhor você construir um relacionamento real com eles do que tentar “forçar a barra”. Fale sobre o que você faz, mostre que seu trabalho é bom e eles vão, naturalmente, se referir ao seu negócio porque você está em sua esfera de influência, porque eles confiam em você.

Leva tempo, mas dá retorno.

Não há nenhuma solução rápida. Há soluções duradouras com resultados significativos.

Fonte: Finding Brand

, , , ,

Deixe um comentário

Mídias sociais influenciam decisões de compra de 25% dos usuários

Um estudo feito pelo Ibope ouviu 8.561 pessoas com idade superior a 10 anos em 11 regiões metropolitanas do País. A pesquisa indica que sites de mídia social influenciam nas decisões de compra de 25% dos usuários de internet. Mais da metade dos internautas não se incomoda com a utilização das redes sociais pelas empresas para divulgarem produtos e serviços e analisarem o comportamento de seus consumidores através de monitoramento. O estudo mostrou ainda que 20% desses internautas afirmaram que compraram um celular ou mudaram seus planos de telefonia para acessar redes sociais com mais facilidade.

Segundo o Ibope NetRatings, mais de 80% dos internautas têm perfis em redes sociais. O Orkut tem 72% dos usuários no Brasil. Também somos os maiores no Windows Live Messenger.

Uma pesquisa recém divulgada pela comScore, relatou que 37,5% dos usuários de internet no Brasil têm entre 6 e 24 anos, quase 50% dos internautas no país tem entre 25 e 44 anos.

O estudo mostra ainda que 12% da população online no país gastam a maior parte do tempo de navegação com ferramentas de mensagem instantânea, sites de mídia social e de entretenimento.

Fonte: Escave as mídias sociais

, ,

Deixe um comentário